Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

quinta-feira, 31 de maio de 2012

A Rádio Nacional, já quase secular, era um ponto de encontro estudantil!



A história que conto aqui é da época da minha juventude e adolescência, mas tem um grande peso em relação a ensinamentos, agora na minha terceira idade.
Vou tentar explicar o porquê desse peso nas linhas a seguir.
Eu era aluno do Colégio Brasileiro de São Cristovão e cursava o antigo curso ginasial.
As turmas daquela época eram formadas de quarenta e dois alunos em cada sala de aula. Tínhamos colegas de todos os níveis sociais e que residiam nos diferentes bairros da cidade do Rio de Janeiro.
O colégio contava com turmas mescladas de figuras da classe média alta, e baixa, onde eu me colocava.
Era uma entidade de ensino bem conceituada, devido a variedade de elementos que lá se faziam presentes.
Nós tínhamos um amigo que era sobrinho de uma das diretoras da área administrativa de uma emissora de rádio, que era a maior em programação do país, possuindo o maior conceito interno e externo no Brasil, pois éramos, naquela época, em 1946,a Capital Federal.
Em minha turma, eu tinha como colega, o amigo Domingos Martins, ator infantil das novelas da rádio e que era irmão de uma outra garota que estudava em outra turma, mais avançada que a nossa.
Era ela a também atriz de novelas e seriados radiofônicos Bárbara Martins.
No mesmo grupo ainda havia um outro garoto, o Mario Varetto, que era filho de um famoso maestro de programações musicais da mesma rádio, o maestro Ercole Varetto, um italiano que veio para o Brasil, fugido das guerras da Europa e que aqui resolveu ficar para sempre.
Num determinado dia, um outro colega, o Adalberto Braga, sobrinho da tal diretora, veio me fazer um convite para que participasse de um programa de variedades que ia ao ar todas às quartas-feiras à noite.
Tal programa era apresentado pelo Jota Silvestre e era anunciado com o nome de “QUEM CONTA UM CONTO, GANHA UM CONTO”, fazendo alusão à nossa moeda da época, o conto de réis, cuja nota era a mais valiosa da nossa economia.
Ele me explicou, quando fez o convite, que a Diretora da Rádio, nos passaria todas as perguntas a serem feitas durante o programa.
Continuou, assegurando que a nossa turma seria escolhida pelo apresentador e já teria em mãos as respostas certas.
Pediu que sentássemos espalhados no auditório da Rádio e a cada momento diferente da programação, um colega deveria levantar o braço para se habilitar a responder a pergunta.
Dessa forma, já conhecedores das respostas, ganharíamos o prêmio.
O Adalberto prosseguiu nominando a turma escolhida por ele: -o Nilton Falcão, o Albino Braga, seu irmão,o Mário Varetto, filho do maestro e além dele, eu.
Disse que não levaria os dois atores, empregados da emissora, por não poder contar a realidade para eles.
Perguntou se eu aceitava um dinheirinho extra nos bolsos todas às quartas-feiras.
E foi assim que ficamos naquela brincadeira, por mais de um ano, assegurando uma bela mesada mensal, o que nos ajudava nas despesas mensais da escola.
Claro que ninguém ficou rico com aqueles arranjos, até bem porque o saudoso Jota, não nos chamava todas as semanas.
(Jorge Queiroz - agosto/2010)

Fonte da imagem:oglobo.globo.com

4 comentários:

  1. também sou desse tempo.
    que saudade!
    só não ia aos programas, mas como lembro do cesar de alencar!
    abraços amigo, por me fazer reviver isso.

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo Anônimo, você já se tornou um anonimo bem meu conhecido, e já me deixa bem a vontade, grato pela identidade da minha história, mas fique sabendo que nao minto, somos de uma epoca bem verdadeira! abraços do amigo Jorge!

    ResponderExcluir
  3. Querido Amigo do Coração
    Teus contos são maravilhosos... sempre...
    Meu tempo é meio curto para meu lazer pelos blogs... mas sempre que posso vevho te espiar... crescer... somar...
    Que bom que existe pessoas como tu... na envelhescencia... com cabeça e coração jovem...
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Lobavirtual, o teu comentario é de amamentar, ROMULO E REMO, quando perdidos em ROMA, parabens pela tua vivacidade e inteligencia, obrigado e um forte abraço do JORGE!

    ResponderExcluir