Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Cuidados com a saúde, um desafio diário!

Ser saudável será sempre o maior desafio do homem, porque a cada novo século, instalam-se novas doenças.Para quem, normalmente, só consegue viver a duras penas, no máximo cem anos, não terá condição portanto, de acompanhar as mudanças, que a ciência faz, no sentido de controlar as epidemias, que assustam a humanidade. Não devemos esquecer, que o século que terminamos agora, o nosso século vinte, foi um período clássico, em descoberta de novas doenças, e juntamente com o avanço da tecnologia, o homem fez de tudo para enfrentar, os efeitos predadores da saúde humana. Devemos lembrar, que neste século, tivemos a instalação de diferentes epidemias, que trouxeram o surgimento de novas descobertas, na área da medicina clínica, que em razão deste veloz, crescimento, provocou um rápido desenvolvimento, na modernização dos diferentes equipamentos, que hoje podem, analisar e acompanhar com muito mais critério, cada caso médico.Quisera eu, que o meu pai, conhecesse as mudanças na área médica, mas foi pena, que elas, só se processaram após a Segunda guerra mundial. Exatamente o período em que um colapso cardíaco lhe sacou a vida, precisamente aos trinta e sete anos, e que me deixou angustiado com uma perda remota, de um ser humano, que nunca havia se lamentado sequer, de uma leve dor de cabeça. E hoje, eu um adulto, já amadurecido, paro para pensar na primeira profissão, que se criou no mundo, o médico, que além de tudo deveria ser naquela época, um astrólogo ou um profeta, assim como, os pajés das tribos indígenas. As doenças sempre se instalam, nas crises da humanidade, sejam elas, durante as guerras, durante ao progresso tecnológico, durante as grandes concentrações dos projetos sociais, musicais ou culturais. Eu ouvia falar na minha infância , da febre “espanhola”, da morféia ou a hanseníase, a comumente chamada de “lepra”, e depois então, do temido câncer. Sem falar, daquelas mais comuns, como a febre amarela, a cólera, a elefantíase, e a mais comum delas todas a tuberculose. Eu sou do tempo em que ao espetar um prego enferrujado no pé, a providência a ser tomada, era aquela, em que o prego, deveria ser imediatamente, espetado em uma cebola, para que todo o mal do acidente, passasse para a cebola e não trouxesse a febre do tifo, ao acidentado, assim como, que toda hemorragia causada por um corte, deveria ser estancada, com aplicação de açúcar, misturado a teia de aranhas. Parece ridículo, mas era a pura verdade, e não é que surtia efeito?Acredito eu, que todas estas doenças, e outras tantas já mais modernas, já deveriam existir, mas as mazelas dos equipamentos, daquela época, não deixavam que a ciência avançasse nas novas descobertas da cura. Mas hoje em dia, vivemos cercado de informações, que mesmo assim me fazem pensar que cada caso é um caso. Eu canso de ouvir dizer, que o uso indiscriminado da aspirina , levam a morte, e eu no entanto, pela informação eu me arrisco muito , pois sou um abusado consumidor deste produto, e faço uso dele há mais de 25 anos, tomando uma diariamente, serei eu, um superdotado, ou serei um protegido pelos deuses, confesso que às vezes, tenho medo de tomar, mas acho que meus hábitos alimentares, por serem diferentes, com muito sal e com muito açúcar e com muita água, me protegem de qualquer agressão do ácido acetíl salicílico. Sei que normalmente eu posso cometer excessos, e não posso esquecer do tempo em que operava, com o mercado financeiro, onde era o encarregado de aplicações financeiras, de grande vulto, e que este mercado tinha inicio exatamente às nove horas da manhã. Antes de chegar ao trabalho, passava habitualmente numa lanchonete, e pedia ao garçom um choque bem forte de colesterol, por eu ser um freqüentador diário naquele horário, ele já sabia o que preparava para mim, um copo duplo de leite batido, e reforçava com o acompanhado de dois ovos quentes mexidos e salgado, que por ser tão forte, imediatamente após a ingestão, me transportava para um estado de calma total, que me daria condições, para encarar aquele trabalho nervoso, e excitante e eu ainda era bem sádico com a minha saúde, naquele momento, eu gostava de ouvir o Bum! nos meus ouvidos, provocados pela ingestão de tanto colesterol reunido, mas que loucura!E não é que dava certo? Só assim, eu podia ficar imunizado diante da loucura do mercado financeiro, pois a minha responsabilidade de aplicar milhões de dólares seria bem tranqüila... Hoje, acho até que fui protegido pelos deuses dos grandes negócios financeiros!

Um comentário:

  1. Todos os cuidados com a saúde são poucos. Afinal, podemos ser muito ricos, muito famosos, mas sem ela, nada somos!
    Triste vida para quem a não tem, de facto.

    ResponderExcluir