Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Um perdão financeiro, que não faz parte de uma dívida moral brasileira !


Deixei decorrer o tempo e como sempre, ele se mostrou carrasco. Às vezes o tempo maltrata, aniquila, enferruja, afirma, desmente e quase sempre nos deixa preocupados.
Na sua própria decorrência, essa preocupação, para qualquer ser humano que ao iniciar sua vida viverá sempre em torno dele, é crescente e obrigará a fortes indagações, para o fortalecimento das descobertas, em busca das verdades.
E agora eu me pergunto se essas verdades se originarão das noticias que assistimos diariamente em nossa televisão ou vemos nas principais revistas brasileiras e em grandes jornais diários.
Pensando bem, acho que nós nunca deveríamos fazer caso delas, mesmo sabendo ser a mídia, um instrumento de profundidade diária bem agressivo e que permite que um grande BOATO, se transforme numa grande verdade, desde de que ela tenha por trás, o nome de um grande JORNAL ou de uma extensa rede de TV ou mesmo revistas nacionais e internacionais de publicações periódicas dos principais fatos políticos, ou do estremecimento do já globalizado mercado econômico e financeiro.
Tenho guardado e bem guardado, um jornal datado de 04.06.2006, que é um exemplar do nosso antigo e conceituado Jornal do Brasil, que estampa em sua folha, o seguinte titulo em manchete com letras garrafais “A CADEIRA MAIS CARA DO MUNDO”, acima desta chamada uma outra, que tem a narrativa, de um fato que neste ano corrente já foi concedido ao Brasil, e que diz no seu cabeçalho:
BRASIL PAGA US$ 10 milhões, POR ANO PELA VAGA QUE NÃO OBTEVE NO CONSELHO DA ONU.
E uma outra preocupação me acelera o sentimento de ser brasileiro, e atento ao nosso Brasil, de uma forma ampla, pois na minha vida de velho brasileiro, atuei em diferentes campos profissionais, o que me faz ter uma obrigação em investigar e poder pensar que o nosso Brasil, é um pais continental, de um povo crédulo e sofredor, que já chegou na área de aposentadoria sem sentir, que o país sequer pensou na velhice do povo.
E agora, faço menção a complementação estarrecedora dessa mesma folha de jornal.
A manchete diz “LULA PERDOA DÍVIDAS DOS CALOTEIROS”, e faz a discriminação de um por um, dos paises caloteiros perdoados e cita seus valores:
DA BOLIVIA ...............US$ 52 MILHOES
DO CABO VERDE........US$ 4 MILHOES
DO GABAO .................US$ 36 MILHOES
DE MOÇAMBIQUE......US$ 315 MILHOES
DA NICARAGUÁ.........US$ 141 MILHOES
DA NIGERIA..............US$ 150 MILHOES
E NESTE MOMENTO
DE CUBA...................US$ 5 MILHOES

Como brasileiro, eu pergunto ao mesmo tempo em que afirmo, que não tive até hoje noticia em contrário que me diga que tudo isso estaria incluído num grande quadro dos boatos da nossa imprensa, às vezes tão contestada.
Garanto, que essa folha do jornal se encontra em meus arquivos, e não tive em nenhum momento, o conhecimento dessa notícia ser mentirosa, pois este ano foi exatamente aquele mesmo ano, em que enfartei no decorrer do fatídico mês de setembro,quando escapei de morrer e me fiz um usuário de três pontes de safena e de duas ligaduras mamárias.
Fico revoltado quando lembro que, na época do nosso Império, não tivemos o prazer de ver a nossa divida de construção das nossas primeiras estradas de ferro, obra do grande batalhador Barão de Mauá, serem perdoadas e ficamos pagando-a à realeza Inglesa por mais de cem anos, incluídas nos centavos de cada valor de transporte do trabalhador brasileiro.
Será que somente as dívidas brasileiras não merecem perdão?
Voltando a esse mesmo jornal ainda tem uma outra afirmação de que o Brasil vem diariamente consolidando em ritmo acelerado, a IMAGEM de pobre, metido a ricaço e ainda mais, sendo um ricaço metido a perdulário, enquanto espalha embaixadas brasileiras pelos subúrbios do mundo inteiro e garante que LULA, só queimou dinheiro, com os numerosos caloteiros devedores, além de num discurso de improviso, repetir em voz alta que amigos desvalidos merecem o socorro dos remediados.
Disseram também que foi aconselhado pelo MINISTRO CELSO AMORIM E PELO SEU ASSESSOR ESPECIAL MARCO AURELIO GARCIA, a não fazê-lo, pois o dinheiro era do povo brasileiro, que paga sempre seus gastos e desperdícios.
O pior é que tudo isto aconteceu num pequeno espaço de três anos e meio!

P A S M E M!
Será verdade ?

(Jorge Queiroz da Silva - julho/2010)

Fonte da imagem: blogs.estadao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário