Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

sábado, 20 de novembro de 2010

O ciclismo - uma ilustração esportiva de pai para filho

Era eu um menino de apenas seis anos de idade e o Brasil ainda não fabricava bicicletas. Aquelas existentes, da marca Phillips, eram importadas da Inglaterra.
Meu pai tinha sonhos de me fazer um aprendiz de ciclismo e para tanto, importou da Inglaterra, através de uma loja, três bicicletas de aros diferentes: uma aro 20, outra aro 24 e outra aro 26, todas de quadro duplo. Eram bicicletas muito pesadas.
O intuito de meu pai em adquirir três tamanhos diferentes era permitir que meus amigos de idades diversas, participassem comigo nesse esporte, sem atrapalhar meu aprendizado. Assim, eu poderia treinar sossegado enquanto meus vizinhos de idade e tamanho superior ou inferior ao meu, propiciavam meu desejo futuro de ser um excelente ciclista, com seus exemplos e manobras.
Essa forma de compartilhar com os amigos, perdurou até o fim da minha adolescência.
Meu pai era um exemplo de criatura, principalmente quando se tratava de socializar. Era um homem dócil e calmo e por isso, gozava da admiração dos meus amigos e também dos pais deles, pois se mostrava no acompanhamento daqueles folguedos, um excelente recreador.
Não era só com as bicicletas que meu pai exagerava na compra. Anteriormente, com o mesmo intuito de me agrupar com os colegas, ele também adquiriu para mim, duas mesas de jogos, uma de sinuca e outra de bilhar. Seu grande desejo era que eu convivesse em grupo e harmonia, sob sua fiscalização. Dessa forma, me supria de brinquedos vários que eu pudesse dividir com as outras crianças, em brincadeiras próximas da residência.
No entanto, não existem festas sem flores e mesmo nos grupos mais homogêneos, existem os amigos ursos.
Uma certa vez, aos oito anos, fui surpreendido por um senhor, morador nos arredores de minha casa, que veio tentar me agredir fisicamente, alegando que eu havia atropelado sua esposa. Aos gritos, clamei por minha mãe, que veio em meu socorro, afastando aquele débil. Se o caso se desse nos tempos de hoje, esse senhor estaria preso.
Posteriormente, soubemos que o suposto atropelamento tinha sido feito por um dos meninos do grupo, cuja aparência física se assemelhava à minha.
(Jorge Queiroz - 19/11/10, em ditado)
Fonte da imagem:flickr.com

Um comentário:

  1. Caro amigo.

    São estas histórias
    que dão sentido as páginas
    da nossa história.

    Dias de paz para ti.

    ResponderExcluir