Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

sábado, 27 de novembro de 2010

TIVE MEDO DO FILME TROPA DE ELITE (1 E 2) MAS RESPEITO E ADMIRO O SEU PRODUTOR, PADILHA

Ontem, após tomar conhecimento pela mídia dos ataques de terrorismo, entrei em profundo pensamento recuperador.
Assistindo ao Studio I, programa vespertino da Globo News, que tinha como participante o produtor e diretor dos filmes Tropa de Elite 1 e 2, utilizei como argumento, a discussão sobre o fato que se prendia a afirmação de que tais filmes tinham sido a mola propulsora do posicionamento da população em favor da Polícia, tomando como heróis os policiais, cada um representando o Cel.Nascimento.
Essa afirmação me levou a convencer minha mulher de que eu não teria coragem de presenciar cenas agressivas dos filmes até mesmo injustificáveis de alguns participantes de uma história que já rola anos a fio, dentro do nosso sistema de segurança policial. Motivo pelo qual não os assisti.
Não sendo eu marinheiro de primeira viagem a presenciar tragédias parecidas, haja vista que conto com setenta e seis anos de idade e sou componente de uma família com vários membros que exerciam a mesma profissão de policiais, ficaria estarrecido em rever cenas impróprias ao meu estado emocional atual.
No entanto, prendi-me a entrevista com o Padilha, a quem, através desse blog, homenageio e aplaudo com honra.
Observei seu grande conhecimento e as indicações que ele faz nos Tropa de Elite, que vem a confirmar todos os passos que fiz dentro do Primeiro Exército numa grande Tropa, organizada pelo Primeiro Grupamento Tático da ONU e convocada a favor da paz mundial em toda a América Latina, pois pertencia ao maior Regimento de Infantaria, o Regimento Escola de Infantaria, de onde eu fazia parte, que recebia a cada ano, pelo menos duas vezes, a visita de um forte General americano dirigente da ONU, para verificar se o armamento em nosso poder estava em totais condições de urgente utilização.
Aqueles armamentos eram formados pelas espécies mais modernas, como os aviões mirage , os tanques de guerra de alta velocidade sobre esteiras, os canhões sem recuo e os binóculos noturnos, raros naquela época.
Hoje, a grande fluência do Padilha em discursar sobre o assunto, mostrou-me seu enorme conhecimento, aprofundado talvez pelo interesse e capacidade de realizar um trabalho desse porte, capaz de mudar a forma de pensar de uma população tão acostumada a atos impensados, fortemente fortalecidos por políticos que fazem questão de estagnar o povo em situações errôneas, em proveito próprio.
(Jorge Queiroz - 26/11/10, em ditado)
Fonte da imagem: blogoooood.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário