Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A crise da gripe asiática

A gripe asiática atingiu o Brasil na década de cinqüenta, entre os anos cinqüenta e sete e cinqüenta e nove.
Naquela época, eu estagiava no Regimento Escola de Infantaria, que possuía um efetivo de quatro mil homens e portanto, um grande risco para as concentrações que contribuiriam para as futuras contaminações e as chances de colocar à prova a nossa população.
A partir daquele momento, nosso Coronel comandante resolveu criar uma grande área de isolamento, para que fossem alocados, os soldados que identificássemos dentro do grupo, como contaminados.
Nossa primeira providência foi transformar o rancho (refeitório), denominado por nós, de Ásia, em hospital de emergência. Como as mesas eram de granito, cada uma delas, onde cabiam cerca de cem soldados comendo, foram transformadas em camas, pois teríamos que manter naquele racho/isolamento, os portadores da doença.
Para agilizar os trabalhos, ficamos de prontidão e alerta, sem podermos ir para casa, cerca de quatro meses.
Medicávamos e vigiávamos os soldados com a gripe, impedindo sua fuga para as ruas, ainda doentes.
Essa providência lúcida, tomada por um Cel. responsável, contribuiu para a eliminação da doença, cuidando para que só fossem para casa, os doentes passados da fase de risco.
(Jorge Queiroz da Silva, em ditado - 03/04/11)

Fonte da imagem:unicamp.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário