Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A minha visita a um Batalhão para tentar mostrar a inocência de um soldado preso.

Minha mãe me deu a incumbência de visitar e tentar obter a soltura de meu primo, seu afilhado, no presídio do quartel. A princípio fiquei assustado, pois o Coronel comandante daquele Batalhão tinha sido meu professor no CPOR-RJ e tinha me provado durante toda a minha estada lá que ele não simpatizava comigo. Arquitetei várias formas para chegar a ele, embora como afirmei à minha mãe não saberia se sairia de lá vitorioso naquela empreitada.
No quartel depois das medidas de praxe, me apresentei ao Coronel que ouviu minhas argumentações, ou seja, meu pedido de soltura, mesmo que provisória, para o meu primo, cujo delito tinha sido indisciplina. Uma das minhas argumentações para que ele aquiescesse, foi dizer que meu primo era um dos atletas da olimpíada militar, ao que o coronel respondeu que concordava em soltá-lo para apenas o próximo jogo. Caso o time ganhasse, ele concordaria em soltá-lo para jogar em todas as competições, mas caso ele perdesse, continuaria preso até se extinguir a pena.
Embora o Coronel não tivesse me atendido na totalidade, minha mãe ficou satisfeita.
(Jorge Queiroz da Silva , em ditado-02/06/11)
Fonte da imagem:jornalvicentino.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário