Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Chegou a hora, o Brasil se apresenta como um ganhador!

Todos dirão assim: - O Lula deu jeito no Brasil!
Eu, já penso diferente e exatamente ao contrário. O Brasil deu jeito no Lula.
Quando eu me lembro do Brasil de vinte anos atrás, quando eu assessorava um famoso industrial, Antonio de Sommer Champalimaud, aprendi com ele que país de muita sigla é país de muitos tapumes, é IN isso e IN aquilo. Naquela época, ele trabalhava aqui, mesmo perseguido pelo nosso Ministério Público, para montar nada menos do que doze empresas e afirmava que não tinha vindo para o Brasil para mentir nem enganar e sim para trazer nos bolsos, não só dinheiro, mas idéias sustentáveis por uma forma correta de fabricar e construir. Aquela afirmação me foi dita no mesmo dia em que me delegava a função de negociar com um Banco um valor de suprimento de folha de pagamento dos seus dois mil empregados. Entregou-me cópia do Balanço trimestral da empresa matriz e me recomendou que ao apresentá-lo a diretoria do Banco firmasse as verdades ali contidas. Inicialmente, eu deveria sacar a importância de dez milhões de dólares. No Banco, na reunião com a área econômica, contestaram o Balanço, que segundo eles, indicava a empresa como devedora. Naquele momento entendi as palavras do velho Champalimaud. Para justificar o valor devedor, expliquei que o Balanço relatava os compromissos financeiros da empresa, e, consequentemente, o ativo fixo estava imbuído de um saldo negativo futuro. Diante da minha explanação sobre aquela verdade, incomum nos Balanços das empresas brasileiras, o valor foi liberado.
Daí a semelhança do caso com o Lula, pois depois do Lula, o balanço brasileiro figura com “restos a pagar”.
(Jorge Queiroz da Silva -em ditado, 02/06/11)
Fonte da imagem:suapesquisa.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário