Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

terça-feira, 28 de agosto de 2012

OS BRASILEIROS SAUDÁVEIS E AS ORIGENS DA VIDA!


Hoje o homem já fala em todas as direções e com certeza já pensa talvez, em fabricar um “clone” de DEUS.
Um clone que possa dar para ele a crença de que tudo o que se faz nessa terra é produto de um laboratório de análises de um novo bío-formato de viver, perfeito dentro da ciência e nas suas ambições e diferenças, em poder nessa visão de vida, vir a criar novos seres humanos autênticos e imortais.
Hoje, os cientistas já discutem e pensam, que vão poder nos congelar, em cápsulas de hidrogênio, por um determinado tempo de vida latente e em obediência ao nosso calendário anual de vida útil, crendo que irão nos trazer de volta de novo para a vida, após cumprimento do contrato de recondicionamento total do nosso corpo.
Pensam também em, com esse corpo congelado, configurar uma vida futura, em um outro século, em que eles assim quiserem e entenderem ser possível, que obedeçam aos estudos de resistência individual de cada indivíduo, tudo muito fiel pelos estudos projetados para uma vida futura.
Só que isso deverá acontecer, se pagarmos antecipadamente, um preço justo e calculado, dentro de um projeto de ressuscitação!
Talvez, quem sabe?
Teremos cores de sangue modificadas, sendo diferentes do nosso vermelho de hoje?
Será que os grandes especialistas em ciência de vidas futuras, assim fariam depois de um criterioso exame de laboratório, dos quais sairiam as cores ideais, para implantar no sangue de cada individuo, uma cor já biologicamente acordada dentro de cada missão de vida?
Poderíamos descobrir com antecedência, qual seria a nossa classe social pelo nosso sangue, pois não teríamos mais os tipos por todos nós conhecidos, como o AB, B o (+) ou (-), A ou universal tipo O?
Pelas novas formas de vidas futuras, já preparadas, seriam implantadas novas cores que deveriam pertencer a uma escala dentro das classes sociais e assim teríamos a aproximação do ser humano a tão falada e discutida eternidade?
Será que o nosso grande pai criador permitiria sua implantação aqui, nessa nossa terra?
Não posso deixar que a corrupção me preocupe, mas será que os homens iriam realizar pagamentos extras, para mudarem as suas classes sociais?
Será que os “milionários”, como sempre, seriam beneficiados e a vida para os da classe média em nada mudaria e eles, os ricaços, receberiam até por vaidade, em seu sangue, um pigmento dourado, com salpicos e brilhos de raras pedras preciosas, protetoras e defensoras de seus vasos sanguíneos?
Que diriam os novos cientistas, dariam razão assim aos ricos e vaidosos?
Ou seguiriam na busca de faturar muito mais, por poderem cobrar um alto preço de uma vida, para sempre conservada, por uma periódica manutenção futura, dentro dos nossos negócios da genética moderna?
Teríamos assim incluída a cor do sangue social normal, para evitarmos que houvessem misturas nas áreas de tratamento?
Ficaríamos certos de que o nosso povo sem recursos continuaria com o sangue sem nenhuma alteração?
Seriam recriadas as empresas modernas de saúde, substituindo os atuais planos existentes e cheios de falhas ou continuariam ocorrendo erros médicos?
Poderíamos evitar as contaminações, dentro das pequenas classes comunitárias?
Será? Será?
(Jorge Queiroz - 21/10/2010)Fonte da imagem:blog.cancaonova.com

Um comentário:

  1. Interessante sua crônica, Jorge.
    Faz pensar!
    abraços,
    Miguel

    ResponderExcluir