Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Um grande guerreiro ou...

Eu já tinha 21 anos e era aspirante a Oficial da Reserva convocado.Teria que ir ao Quartel General da Vila Militar no Rio de Janeiro e já de posse do instrumento de convocação do ano de 1955, me dirigi até lá, onde em companhia de meus colegas de turma, iria me apresentar a uma das figuras raras do exército brasileiro, um General que mais parecia um alemão radicado no Brasil.Pelas informações iniciais, ele era solteirão e bastante exigente. Discutia-se, já naquela época, sua masculinidade.Diziam que, para despistar e fugir das críticas acirradas da sociedade, ele tinha uma amante francesinha de vinte anos.Eu não estava nada preocupado com os mexericos. Queria simplesmente me apresentar ao General e ter a minha convocação oficializada.Talvez para me contrariar,pela grande vontade de ser liberado logo, fui o único aspirante que ficou retido lá no gabinete do General durante cinco horas seguidas.Ele alegava que eu não sabia me apresentar e só me despachou depois que os outros meus cento e setenta e cinco colegas de turma haviam sido liberados.Mandou-me sair com a seguinte frase:- Vai embora morenão, você nunca mais vai esquecer desse General aqui.Saí de lá com a triste impressão de que dentro daquele fardão estava um grande guerreiro ou .....

3 comentários:

  1. É caro Jorge as aparências, diz a sabedoria popular, quase sempre enganam!
    Morenão... isso lá é papo de grande guerreiro!
    A sociedade é hipócrita e sair do armário, naquela época, era um suicídio com difamção.Nada como o do Presidente que lhe acrescentou à fama: glória.
    Um grande abraço

    Maysa

    ResponderExcluir
  2. MAYSA! estamos indo para o teu "BLOG", aonde teremos uma contemplaçao mais proxima, e deixaremos lá o nosso agradecimento sincero pela tua tao simpatica visita, sbraços, do JORGE e ADIR!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir