Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

domingo, 24 de junho de 2012

Quem não conhece o Pelé ?

Quem não sabe, quem não ouviu falar de “PELÉ,” o atleta do século. A história deste homem parece às vezes mentirosa, mas felizmente, as imagens, na verdade, se projetarão por todo o caminho de séculos e séculos, e assim sucessivamente. Há alguns anos atrás, eu acompanhava um documentário na televisão, e por inteira justiça , o programa dedicou vários minutos, ao nosso atleta do século, o que emocionou, por certo, a todos os expectadores. Ao mesmo tempo, em que se exibia, diversas imagens da carreira tão brilhante, do nosso mais famoso atleta, inseriam na mesma tela, uma entrevista pessoal, do Edson Arantes do Nascimento, o aniversariante do dia, o nobre “Pelé”, e puxavam a todo instante e insistentemente, pela emoção do entrevistado, e de repente eu senti, que aquele homem, apesar de todo o seu destaque mundial, e toda a sua afortunada vida, não resistiria, e com certeza iria às lágrimas, o que não demorou muito para acontecer. Naquela imagem, que se seguia um choro de alegria, como ele mesmo definiu muito bem, nos deixou muito emocionados, quando ao término da entrevista ele a assinou, com a seguinte definição:- isso tudo, ainda é muito forte para mim... secando as lágrimas com seu lenço. E eu, muito mais emocionado, também chorando, lembrava à minha mulher, de uma cena rara, não fotografada, e nem mesmo filmada, que eu tive a felicidade de presenciar, naquela época, quando ele era ainda jogador do Santos FC . ”Pelé” desembarcava, com a equipe que era considerada a mais famosa no cenário mundial, e tudo aquilo devido a ele mesmo, o responsável, pela conquista do título do Bi campeão Mundial de clubes, na década de 1960. Não lembro exatamente do dia, em que desembarcava a equipe santista, e na entrada do Aeroporto Santos Dumont, um ônibus de turismo estacionado, aguardava cada jogador embarcar, para conduzí-los a um hotel da zona Sul do Rio, para se concentrarem, até o horário da partida, que seria jogada contra o Flamengo do Rio de Janeiro. Aí então, lá vem a emoção, o nobre jogador já estava embarcado e acomodado numa das poltronas do ônibus, quando repentinamente, surgiu uma mendiga, uma senhora já bem idosa, mal trapilha, que se abrigava embaixo do viaduto, e que aos gritos, na porta do veículo ainda estacionado, pedia com insistência, Pelé, Pelé, meu ídolo, venha aqui fora por favor, quero te abraçar e te beijar, eu sou tua fã. Apesar de ser uma pobre velha, e mal trapilha, te amo muito, venha meu filho, por favor... E não é, que a nobreza daquele homem, me exibiu um lado que eu nunca tinha observado, nas pessoas famosas? Ele se levantou da poltrona, e calmamente caminhando pelo corredor do ônibus, ele fitava aquela pobre velha, sua fã, que o aguardava ansiosa, à porta do coletivo. Chegou até ela e disse:-vovó, estou aqui; e por ela foi beijado e abraçado, enquanto os outros jogadores, faziam galhofa daquela cena. Ela se despediu dizendo:-agora já posso morrer, realmente tu serás sempre um grande Rei, vai com Deus meu filho, Deus te proteja....e te ilumine. E este craque a partir daquele momento só foi sucesso absoluto no Brasil, e no Mundo....
Jorge Queiroz da Silva -( agosto/2009)

Um comentário:

  1. A Andança.

    Entro no Áspera Seda, onde o bom Michel luta contra o anonimato. No auto de um quadro de 774 faces eu vislumbro o sorriso de Jorge, que possui um olhar poético para a vida e é criativo por excelência. Ando mais um pouco, um clic e estou em outro mundo. Ouço uma canção que não rima com nada. Vou. Vejo. Falo.

    Sou Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com e decidi escrever o diário da andança.

    ResponderExcluir