Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

quinta-feira, 28 de junho de 2012

MAIS UMA INCRIVEL VISÃO E APARIÇÃO EM MINHA VIDA DE ESPERANÇOSO SER HUMANO!

Decorriam os anos oitenta e nesse novo inicio de década, eu tinha uma pendência antiga na área médica, pois já há cinco anos, eu estava sendo avisado, que alguma coisa estranha me aconteceria a nível de saúde.
E finalmente chegou o dia “D” da minha vida, para definir a grande dúvida do “mal” que de mim se acercava.
Minha mulher, já fazia de tudo há algum tempo, para que eu não me lembrasse e nem pensasse em me submeter a nenhuma intervenção cirúrgica, haja vista, que a mesma seria realizada em meu maxilar, no lado direito de meu rosto.
Um nódulo já atingia o meu pescoço, na área chamada pelos médicos especialistas de cabeça/ pescoço, sempre complicada.
Eu usava como recurso de não mostrá-lo, uma barba comprida e cheia que evitava que eu pensasse naquele nódulo, no intuito de evitar uma cirurgia qualquer.
Mas o tempo decorria e o nódulo crescia.
Embora o fato não me incomodasse a nível físico, eu não me dei por satisfeito, e o meu ego, me obrigava a ir fundo na busca do final daquele processo, que já chamava atenção das pessoas nas ruas, nos bares e restaurantes, onde eu estivesse.
Primeiramente fui consultar meu plano de saúde, na época, a Golden Cross. Era associado há mais de oito anos, mas a equipe administrativa considerou a doença pré-existente e não quis me amparar no tratamento.
A única opção era brigar juridicamente, pois eu tinha certeza, que não tinham razão. No entanto,desisti da briga,pois o que eu precisava mesmo, era da cirurgia.
Foi então que consultei a minha cunhada, médica experiente, patologista, que preferiu tentar nos hospitais públicos onde trabalhava, a realização daquela intervenção.
Garantiu-me que a não ser pela questão estética, não havia pressa, pois eu não demonstrava nenhuma fraqueza aparente, nem interna e nem externa.
Falei para minha mulher da conversa que eu tive com a irmã dela e ela não ficou muito satisfeita, porque não lida bem com essas questões.
Aí então eu afirmei que não podia mais esperar e que eu queria e devia entregar tudo na mão do nosso bondoso Deus.
Passei a partir daquele momento, a aguardar que me chegasse a noticia tão esperada, para a realização da cirurgia.
Naquela expectativa, estava eu um dia em minha casa, após um dia exaustivo de trabalho visitando empresas, quando sento no sofá da sala de minha casa.
Estava pensativo e a luz indireta, vinha exatamente de um abajourt de canto. Apoiava eu a minha cabeça no meu braço, do lado esquerdo do sofá, olhando para o chão, sem saber como, surgiu à minha frente, e bem junto a mim, uma calça azul clara e um par de sapatos marrons brilhantes.
Assustado, queria entender a mensagem, e queria ver quem era o emissário, pois acreditava em boas noticias.
Resolvi seguir naquela descoberta, querendo ver o rosto de quem estava ali, diante de mim.
Ergo os meus olhos, seguindo a direção daquelas pernas para ver o rosto daquele que ali se fazia presente, mas quando me aproximo da altura da cintura consegui identificar um jaleco branco.
Prosseguindo na minha busca, para minha surpresa, vejo ali, postada na frente da figura daquele emissário, uma bandeja do tipo inox, e que trazia dentro da mesma, duas grandes bolas douradas e reluzentes. Pensei continuar , quando tudo aquilo desapareceu repentinamente, tal qual como se apresentou!
Vejam que coisa maravilhosa, naquele instante, aquele emissário, estava vindo me avisar, que o dia da minha operação, o tal ato cirúrgico tão esperado, estava prestes a acontecer.
Não deu outra coisa, eu quis contar a minha mulher o que vi, ela teve medo em ouvir e eu liguei de imediato para minha cunhada médica narrando o fato.
Mais uma vez me surpreendi, quando ela me confirmou uma consulta marcada para a semana vindoura.
Naquele dia abençoado, parto para lá e no meu horário, entro na sala, onde se encontra uma comitiva de médicos da equipe, chefiada
pelo Dr. Wladymir.
Após as apresentações de praxe, o exame prosseguiu definindo-se o dia da operação.
Não pude deixar de reconhecer as semelhanças das vestimentas do Doutor, com as vestimentas do emissário que se apresentou em minha casa, no dia em que tive a visão.
Ambos trajavam aquela mesma calça azul clara e o calçado marrom brilhante, e complementando, o jaleco também era da mesma cor, branco.
Ai então, eu saí de lá enlevado, pois tudo só demonstrava que a intervenção seria um sucesso, como realmente o foi.

Jorge Queiroz da Silva - agosto/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário