Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

domingo, 17 de junho de 2012

O BANCO IPIRANGA DE INVESTIMENTOS SOFREU INTERVENÇAO, MAS GARANTIU RESULTADOS A SEUS APLICADORES!

O nosso Banco Central nas suas intervenções sempre retiram dos bancos os seus antigos donos, mas em geral, eles esquecem das antigas dívidas e também da responsabilidade delas.
Por isso devemos perguntar o que fazer se somos os portadores de algum título de crédito.
Quem levará o prejuízo? O vendedor ou o comprador desse mesmo Banco?
Quem assume as dívidas?
A massa falida ou o novo garantidor do negócio?
Ou ainda, o grande Banco Central?
Essa foi a minha grande dúvida quando eu era o financeiro de uma grande fábrica de Cimentos onde eu trabalhei durante mais de dez anos.
Isso ocorreu no final da construção da fábrica em Vespasiano, num Município de Belo Horizonte, Minas Gerais.
Estávamos no ano de 1975, por sinal o mais incrível do nosso governo militar.
Nessa Empresa, aonde eu era um estreante a encarar grandes negócios e grandes riscos, exercendo a função de gerente das Tesourarias do mais novo grupo que também, naquele momento, era a mais produtiva das fabricas de cimentos já instaladas no Brasil - a SOEICOM –
Estava a empresa perfeitamente bem preparada para realizar o ensacamento de até seiscentas mil sacas por dia e pertencia a um grupo de cimentos luso- brasileiro da antiga CIMPOR, sua irmã, a fábrica de cimentos LEIRIA, situada em PORTUGAL, lá à beira do Rio Tejo!
A construção de todo o complexo fabril elaborado por um Consórcio de empresas especializadas, envolvia um time de primeira linha, tendo de frente a KHD, uma empresa poderosa e já experiente no campo técnico mecânico da Alemanha.
Reunida com ela outras cinco grandes, como a SIEMENS e a BROWN BOVERI, das áreas técnicas de automatização, do mais moderno sistema de automatização e implantação de fornos e das grandes e mais rápidas, esteiras rolantes quilométricas de satélites resfriadores e de eletro-filtros para apoio da segurança nas áreas do meio ambiente.
Com todos esses equipamentos ficava controlada a poluição. Ainda tinham outros equipamentos como os misturadores e os moedores de toda uma estrutura das máquinas ensacadoras programadas para uma produção de até 600.000 sacas diárias e portanto, record no Brasil.
Essa fábrica foi instalada dentro das imposições das novas leis e foi a primeira a ser construída na América Latina em linha reta, onde todas as outras eram circulares ou retangulares, provocando a grande novidade na área de mineração em nosso continente.
Mas fora da previsão e daquela produtividade inédita até então para nós brasileiros, tudo seria um grande sucesso, se não surgisse uma noticia da parte do consorcio construtor da fábrica - uma dura exigência de um aditivo de aumento no preço final de pagamento da mão de obra contratual, fora dos moldes anteriormente acertados e jamais previstos pela direção do grupo empresarial.
Esse total descumprimento do acordo tão respeitado de contrato, fez com que a nossa direção, que vinha sendo por eles ameaçada de uma paralisação, se encorajasse e assumisse o canteiro de obras por mais seis meses.
Seis meses era o prazo exato que estava faltando para a nossa Superintendência de Obras poder cumprir e entregar a fábrica para inauguração.
Aí então, baseado nesses acontecimentos surpreendentes, eu revirando um dia o Cofre, encontrei lá dentro, totalmente esquecido e muito bem guardado um titulo de caução de obras, que garantiriam um pagamento indenizatório de US$ 5MI, desde o dia da tão falada paralisação.
O tal título estava guardado não sei há quanto tempo,pois estava muito bem protegido por um envelope plástico.
Acredito que lá estivesse desde de antes de eu ter sido admitido na empresa.
Olhando o papel valioso dei asas à minha imaginação e percebi automaticamente, que com aquele título de garantia, poderíamos voltar a prosseguir as obras, com segurança, mesmo sendo aquele Banco, emissor do título, um vitimado pela intervenção do BACEN.
Peguei o tal certificado de depósito do Banco de Investimentos Ipiranga e exibindo-o para os Diretores presentes, configurei a nossa vantagem em cima do desafio para declarar pùblicamente que responderíamos pela garantia do final das obras, evitando assim a reação de paralisação geral, por parte dos operários que já nos ameaçavam de destruir toda a parte principal da obra já executada.
Lembro que fui firme na minha declaração de ir ao Banco tentar resgatar aquele Certificado.
Para a Diretoria o resgate seria impossível devido à intervenção sofrida pelo Banco, mas não me deixei levar pelo desânimo e fui em frente.
Fui ao Banco comprador e troquei o título por um outro válido e no mesmo valor.
Quatro anos depois de eu ter saído do grupo, no ano de 1985, eles estavam recebendo, o valor de mais de US$.............. 75 MI. ( SETENTA E CINCO MILHOES) de dólares, mesmo tendo havido juridicamente uma contra- ação, que protegesse o não pagamento.
O valor do resgate sofreu a atualização devida, pois a época da emissão daquele título era a mesma do Contrato da obra realizada, que correspondia ao ano de 1969 e os valores devidos foram pagos após o ano de 1986, mesmo com todas as tentativas que foram feitas para recuperação dos títulos com a emissão de um mandado de buscas e apreensão.

Jorge Queiroz da Silva - agosto/2009

13 comentários:

  1. Prezado Jorge, achei seu post no google depois de encontrar, em um cofre como o seu, títulos de ações desse banco (cotas do "Fundo Ipiranga de Incentivos Fiscais", para ser mais exato)que eram de meu pai. Gostaria de saber qual o banco comprador que vocÊ procurou, para eu ter mais informações sobre essas cotas!responda-me em rchalfun@hotmail.com, por favor! Obrigado,
    Ricardo.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Tenho cotas de investimentos do Banco Ipiranga. Gostaria de seu e-mail ou telefone para trocarmos informações.

    Rodrigo
    rodrigo.mg@oi.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá! Minha mãe trabalhou por anos no Banco Ipiranga e ao tentarmos sua aposentadoria agora em 2011, descobrimos que os recolhimentos previdenciários dela, eram feitos pelo próprio Banco Ipiranga, diante disso, gostaria de saber se quem o comprou e onde poderiam estar estes dados. Será que poderia me dar alguma informação? Desde já agradeço.

    E-mail para contato:
    rudolphverdy@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. CARO AMIGO AINDA DESCONHECIDO, VENHO PEDIR-LHE ENCARECIDAMENTE QUE ENTRE EM CONTATO PELO MEU EMAIL (primqgrafica@hotmail.com), POIS MEU PAI ME DEU (CEM) AÇÕES DO BCO IPIRANGA DO DIA 13/11/1972. DESEJO SABER QUAL AS PROVIDÊNCIAS QUE DEVO TOMAR PARA RESGATÁ-LAS. FICO NO SEU AGUARDO. OBRIGADO ANTECIPADAMENTE. MEU NOME É MARCOS PIRES.

    ResponderExcluir
  5. Quer assistir canais de TV por assinatura em seu PC www.tvhd.com.br

    ResponderExcluir
  6. Jorge.

    Amei seu blog e aproveito para saber quem foi que comprou o Banco Ipiranga e como devo proceder para resgatar titulos de açoes do mesmo. Se possivel responder em meu email angela.gugelmin@santander.com.br.
    Um grande abraço
    Angela

    ResponderExcluir
  7. Olá, também achei nas coisas do meu pai ações desse banco, como devo proceder para o resgate?
    valeu abraço
    cristianedrumond345@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. ESTE BANCO NÃO FOI COMPRADO, AINDA PERTENCE AO SEU ANTIGO DONO. HÁ UM PROCESSO JULGADO NA SUPREMA CORTE DO SUPERIOR TRIBUNAL FEDERAL, QUE FOI GANHO PELO BANCO IPIRANGA EM ULTIMA INSTANCIA, NÃO CABENDO MAIS RECURSOS. O BANCO CENTRAL BRIGOU POR MAIS DE 30 ANOS COM O BANCO IPIRANGA, E AGORA TERÁ QUE PAGAR MAIS DE 46 BILHÕES DE REAIS AO IPIRANGA, PELA MALDITA INTERVENÇÃO QUE FEZ EM 1974, MAIS NÃO SABEMOS QUANDO SERÁ ISSO, POR QUE COMO O BANCO CENTRAL FAZ PARTE DO GOVERNO, A DIVIDA ENTROU NO " PRECATORIO ".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A dívida não entrou em precatório, porém o Bacen, mais uma vez, somente com o fim de protelar o pagamento da dívida, conseguiu uma liminar suspendendo sua obrigação.

      Excluir
  9. OLÁ... DEPOIS DE MAIS DE UM ANO SEM NOTICIAS, ALGUMA NOVIDADE DO BANCO IPIRANGA??

    ResponderExcluir
  10. Mande pra.meu email tb essas informaçoes paulod2@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde, senhores (as):
    Venho por meio destas poucas linhas, pedir, encarecidamente, informações acerca do Banco Ipiranga, pois tenho um documento emitido pelo referido banco, atestando que minha avó possui 36,301 cotas com valor de $ 3,12 (Moeda de 1972, penso que cruzeiro?)... Como fazemos para resgatar???
    Meu e-mail: fredson6.6@hotmail.com

    ResponderExcluir
  12. Ola Jorge, tambem achei um certificado de 1960 do Ipiranga. Qual o branco hoje controla esse fundo? consigo atualizar essas acoes? Meu email guimoretz@gmail.com

    ResponderExcluir