Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

sábado, 8 de outubro de 2011

Morreu um mestre, não um político.


Morreu um mestre, não um político, porque só os mestres não fazem política.
Tanto é, que apesar de grande amigo do ex-presidente Lula, ontem pudemos ler nos noticiários, algumas de suas frases a respeito do antigo mandato, como sejam:

1. "Não posso negar a existência do mensalão. Ficou provada. Não digo o mensalão, mas um sacolão enorme ficou provado(12/11/2006)"

2."Lula não é um PhD de Harward, mas é um gigante do ponto de vista político (24/02/2002)"

3."É quase uma revolução democrática e específica questionar o regime de juros no Brasil(25/07/2004)"

4."Nosso discurso de campanha ainda não assumiu o poder (21/03/2005)"

5."Em muitos campos a nota (para o governo Lula) é 10. Mas para a política monetária é zero(12/10/2005)"

Em relação à morte, como um grande mestre, nos ensinou como devemos nos portar diante da doença, para senti-la em menor escala, se é que isso é possível.

1."Câncer para mim é coisa antiga. Estou tranquilo (12/11/2006)"

2."Você não sabe o que é a morte, então você não tem de ter medo da morte. Você tem de ter medo é da desonra, dela você tem de ter medo, isso mata você. A vida é uma jornada (30/12/2007)"

Grande homem, José de Alencar!
(Jorge Queiroz da Silva, em ditado 29/03/11)
Fonte da imagem:robertomoraes.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário