Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

sábado, 1 de outubro de 2011

O estouro do Banco Nacional Brasileiro

Era eu, naquela época, um funcionário do mercado financeiro e alguns países, como Portugal e Espanha, viviam uma crise.
Era comum estarem se alojando por aqui, inúmeros profissionais de finanças daqueles países.
Eles buscavam oportunidades de trabalho nas empresas oriundas dos seus países, muitas delas organizações financeiras.
Naquela fase, alguns deles, procuraram trabalho no Grupo Cimenteiro, com sede em Portugal, onde eu funcionava como parte da Diretoria Financeira.
Diziam-se habilitados para atuar no campo brasileiro, ou melhor, no nosso BNB, exercitando com segurança e garantia, o que já faziam nos seus países de origem.
Um grupo deles, com esses argumentos, conseguiu convencer o Presidente Honorário a abrir uma conta da Empresa nesse BNB. Fui então encarregado de providenciar a documentação necessária para tal, de forma urgentíssima e assim o fiz.
Como me relacionava de forma amigável com os profissionais do ramo financeiro da Cidade, decorridos três meses após a conta aberta, fui notificado por um desses amigos, que o tal Banco iria estourar em vinte e quatro horas.
De pronto, coloquei o Presidente a par da notícia e tomei as medidas cabíveis para zerar a Conta da Empresa no citado Banco, fugindo das regras de praxe, de ter tal montante retido pelo Banco Central do Brasil, se não tivéssemos tomado tal providência.
Ali, o Presidente pode atestar minhas reais influências comerciais no mercado em questão e parabenizando-me, pediu que eu contratasse o meu amigo que me deu a notícia, para trabalhar no nosso Grupo.
Expliquei ao Presidente que a forma mais concreta de agradecermos o aviso que nos salvou, era abrirmos uma conta no Banco que ele gerenciava.
Dessa forma, nos livramos da intervenção do Banco Central e agraciamos meu amigo da maneira mais justa.
(Jorge Queiroz da Silva, em ditado - 02/04/11)
Fonte da imagem:honeydany.blogspot.com

2 comentários:

  1. Jorge Queiroz da Silva, em ditado - 02/04/11..vc tem contatocom alguém deste extinto Banco?

    ResponderExcluir
  2. basta procurar os herdeiros da família Bokel

    ResponderExcluir