Lendo e ouvindo a música

Desenhos de Jorge Queiroz da Silva

domingo, 2 de outubro de 2011

Uma crise mundial na área de sustentabilidade

A economia mundial balança.
Temos presentes as dificuldades de manter de pé uma das nações mais produtivas do mundo em ciência e tecnologia: - o Japão.
O Brasil representa uma força dentro desse novo quadro das nações emergentes. Essa força faz parte do Bric e pela sua facilidade de recuperação e manutenção do seu terreno produtivo, ela será juntamente com a Russia, a India e a China, talvez o país que, devido a sua localização e extensão do território, funcionará com a maior desenvoltura em receber e modificar todas as modalidades de consumo mundial.
Pelo seu extenso litoral, poderá funcionar para situar as maiores providências emergenciais.
O sentido mundial da economia, tem sido alterado pela natureza, atacada pelos sistemas energéticos que, por sua vez, agridem as nossas camadas protetoras do solo. Isso pode ser observado pelos recentes episódios ocorridos no Japão, nos lembrando que o mundo por si só, está em risco.
É o momento de as grandes nações que compõem o mercado internacional optarem por caminhos mais simples e racionais.
Tenho ouvido nos noticiários de um modo geral, que estão sendo buscadas formas mais simples e mais rápidas de alimentar as nações mais carentes, como as do Oriente.
Assistimos há pouco tempo atrás, a exibição de um programa de TV, que mostrava a criação de insetos como grilos, borboletas, formigas e etc... num galpão totalmente coberto, que fazem parte de um novo sistema da cadeia alimentar. Esse programa, inclusive, também exibia um repórter da TV brasileira, degustando todos esses novos alimentos, preparados de uma forma adequada para o nosso consumo.
Eu gostaria, nesta reflexão, de ir mais além, retornando aos anos cinqüenta, quando as tropas brasileiras ligadas a Organização das Nações Unidas, para economizar nos longos treinamentos em períodos de quinze a trinta dias, se utilizavam de uma ração fria, bastante econômica, visando a redução de custo. Essa ração fria, oferecida a cada soldado, era composta de um copo de leite, dois pães doces de 25 gramas cada um, duas fatias de queijo(50 gramas), duas fatias de presunto (50 gramas), dois ovos cozidos, um sachet de sal, uma maçã e uma lata de 350 ml de refrigerante.
Deixo aqui essa sugestão, para a recuperação de parte da economia, nesse sentido.
(Jorge Queiroz da Silva, em ditado - 02/04/11)
Fonte da imagem:guiabrasilblog.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário